401 - Dicas para o Orçamento do Estado para os próximos anos

Ficam (até ver) fora dos planos de privatização para o corrente ano a Galp, EDP e REN mas na calha estão a ANA a TAP e a INAPA onde o governo espera obter 1200 milhões de euros a desbaratar em 2010.
Ora os senhores que nos (des)governam não são parvos e como querem continuar no poleiro estão a acautelar os milhões que poderão desbaratar em 2011 ao privatizarem no ano que vem as acima referidas GALP, EDP e REM.
Estou verdadeiramente preocupada e este é um assunto em que se devia meditar não só quem lida com as finanças como também o cidadão comum.
E a pergunta que se impõe é a seguinte: e quando não houver mais nada para vender? O que vai fazer o governo?
Ora aqui vão umas dicas:
1 - Construção de barracas para quem comprou casa abaixo de 200.000,00 euros e expropriação da anterior a favor do estado, para venda em leilão internacional, com destino ao ramo do Turismo.
2 - Racionamento alimentar para quem ganhe abaixo de 1 000,00 euros, não sendo permitido o acesso a produtos de luxo tais como frango, pescada, carapau de gato ou mesmo sardinhas em lata.
3 - Impedimento de compra de produtos, também de luxo, como detergentes, sabonetes, champôs, ou mesmo sabão azul e branco. Nota: os portrugueses terão de se contentar com sabão macaco.
4 - Racionamento de água potável a 5 litros por mês, sendo permitido tomar banho com 1/4 litro por semana a ser adquirida nas fontes e riachos etc.
5 - Aumento do horário de trabalho até às 120 horas por semana, sendo permitido um descanso de 2 horas, calculando-se o resto a ser gasto nas deslocações;
6 - Os trabalhadores do sul só terão trabalho no Norte e os do Norte, deverão trabalhar no Sul poderão assim usufruir do TGV, que o governo irá construir para benefício da população com rápidas deslocações para o trabalho. O montante dos bilhetes depois de descontado o vencimento dos dirigentes e Assessores será para pagar a sua construção;
7 - Na saúde não serão permitidas consultas a quem não for vacinado com todas as vacinas que o governo comprar para sustentabilidade da Industria Farmaceutica;
8 - Não deverão ser mexidas as 4 - 5 ou 6 reformas dos detentores dos altos cargos da Nação, os quais não deverão perder nem 0,01 € do poder de compra, Ministros, Secretários de Estado, Assessores e muito especialmente o presidente do Banco de Portugal, o qual terá de suportar a tensão da projecção do impacto destas medidas na vida dos Portugueses, sugerindo ao governo quantos furos deverão ser acrescidos no cito de cada um.

1 comentário:

Sopro leve disse...

Já faltou mais para que um orçamento contemple medidas parecidas...