309 - 10 de Junho

Dia de Portugal de Camões e das Comunidades Portuguesas.
Luiz Vaz de Camões o expoente máximo da cultura Portuguesa morreu faz hoje 429 anos.
Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já foi coberto de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto

E, afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía

8 comentários:

Manuel Cataluna disse...

Boa tarde,
Muito bem Susete!
O José Mário Branco, cantava este poema.
Não era?
Um abraço

Susete Evaristo disse...

Olá Manuel
Sim senhor o José Mario Branco gravou um disco onde incluiu este poema de Camões.
Um abraço

XICA disse...

Belo poema Susete, boa escolha.
Sabes que estive na apresentação do novo livro do Miguel Urbano Rodrigues, ao longo da apresentação ele foi falando de muitas coisas, uma das quais era o quanto ele gostaria de trazer a Serpa o Dominico Condito, penso que é assim que se escreve o nome.
Imediatamente se fez luz, porque é muita coincidência, ele refere que o Dominico esteve em Portugal há relativamente pouco tempo e eu li um post teu a fazer a mesma referência, estão a falar do mesmo Dominico tu e o Miguel?

Susete Evaristo disse...

Só pode ser o meu amigo Domenico Condito, que boa coimcidência o Miguel também o conhecer.
O Doménico esteve em portugal em Maio e tem um carinho especial pelo Alentejo de Serpa tenho-lhe falado tanto que já me disse irá ser uma das suas visitas na sua próxima vinda a Portugal.

Fernando Samuel disse...

Depois daquele coisa abjecta em santarém, é bom ver aqui o 10 de Junho comemorado com este belo soneto de Camões.

Um beijo.

samuel disse...

Boa malha!

Abreijo.

SENSEI disse...

Dia de Portugal e das Comunidades!
Dia de Camões!

Mas jamais, o dia da raça!

Estamos fartos de rafeiros que se fazem passar por quem de facto o não são!

Abraço

Ouss

Susete Evaristo disse...

Também pensei que era Samuel.
É isso mesmo Sensei, só na cabeça de quem parece não ter a noção da mistura de povos de que se compõe o sangue dos Portugueses, pode achar que somos uma raça.
Aliás isso da raça faz-me lembrar um tal de Hitler que queria apurar a "raça" ariana, como se isso fosse possivel e viu-se no que essa loucura deu.