301 - Jerónimo de Sousa responde a Mário Crespo

4 comentários:

A Mar disse...

Vá lá vá la´que o homem hoje até esteve bem comportadinho...o mário, claro.
Tenho o visto bem mais assanhado noutras ocasiões que cheguei a referir..

Quanto ao Jerónimo, palavras para quê? Um senhor.

XICA disse...

Por acaso partilho da opinião da Mar, passei a entrevista toda uma pilha de nervos a pensar, se este tipo põe a pata de fora, parto a televisão porque não lhe chego às fuças, mas safô-se.
Susete toma lá uma nova morada para te entreteres.
http://rebera.blogspot.com/
Uma bejoca grande

Susete Evaristo disse...

Ó amiga já lá fui.
Mas que linda a "minha" ponte do Godiana. E que bom conhecer mais um blogue com afinidades. Destes manda-me todos os que conheças.
E já está na lista dos que recomendo como não podia deixar de ser.
Beijinhos

Clyde disse...

A 23 de Maio de 1934, uma patrulha de agentes policiais conseguiu atrair Bonnie & Clyde para uma emboscada numa estrada poeirenta da Louisiana, onde foram assassinados a sangue-frio.

Na América dos anos 30, da Grande Depressão e das Vinhas da Ira, Bonnie & Clyde, através dum conjunto de assaltos audaciosos a bancos, bombas de gasolina e lojas, conseguiram captar a imaginação do povo americano, tornando-se ícones duma contra-cultura de insubmissão e resistência.

75 anos depois, o FBI divulga 1000 páginas sobre o mais famoso casal de gangsters. O mesmo FBI que só foi capaz de emboscar e assassinar Bonnie & Clyde, através da clássica delação de associados menores...