228 - Baralhar e voltar a dar - 1

Desde que em 2005, tomou posse o actual (des)governo que na Administração Publica, se instalou um clima de confusão geral, com as trocas e baldrocas, não só das regras de jogo como na distribuição dos cargos dirigentes a compinchas e seus familiares.
Sob a capa da tão badalada reestruturação, foram extintos alguns Serviços e criados outros, ou melhor foram alteradas as designações existentes por fusão de vários organismos, tendo as mesmas valências mas sendo os serviços prestados de maior quantidade em detrimento da qualidade, como decerto se compreende.
Ainda por outras palavras o sr. 1º ministro baralhou e voltou a dar com a pompa e circunstância que lhe conhecemos, fazendo crer aos mais incautos, que a modernização teria chegado em força e que a "retrógrada" Administração Publica, passaria à modernidade ao toque mágico das palavras de sua excelência.
Puro engano! O simplex na Administração Pública, tornou-se em complex, sendo necessários papéis e mais papéis com despachos e mais despachos antes de se poder dar seguimento aos assuntos a tratar.
O resultado é uma Administração Pública desmotivada, insatisfeita onde se instalou um clima de subserviência ao chefe, tal qual o “tempo da outra senhora”, não vá o diabo tecê-las e chegado o momento da classificação de serviço, este não dê uma nota abaixo de cão.
Os que não alinham no jogo, são colocados à margem, sem o devido aproveitamento dos conhecimentos adquiridos, que é como quem diz na prateleira.
E é assim que muitos se vem compelidos a pedir a aposentação, mesmo sujeitando-se às penalizações, criadas por alteração das regras de jogo, além da alteração ou anulação de outros adquiridos ao longo do tempo (a que muitos portugueses batem palmas, sem a noção de que os funcionários públicos também nesta matéria, são a bitola por onde se regem todos os trabalhadores do País).
Na verdade as alterações verificadas se forem analisadas honestamente não se traduzem em eficácia ou ganhos de produtividade, já que as decisões empencam muitas vezes em dirigentes que apenas estão ao serviço das clientelas partidárias e pouco preocupados com os cidadãos utentes dos Serviços.
Talvez por isso estes, tomam agora a designação de clientes, como se a Administração Pública fosse uma empresa com objectivos de empresa, demitindo-se dos valores que efectivamente deveriam ser seu apanágio.

3 comentários:

XICA disse...

Susete, com gostaria de ter sido eu a escrever isto, que é com quem diz, o que me vai na alma e tu tão bem explicas.
Mas quantos não se sentem assim, eu pessoalmente por enquanto sou uma sortuda, mas assisto noutros serviços, com colegas minhas, a esta situação.
Um abraço, amiga!
(Que belas prendas de natal tu aqui dêxas pó Socas"

Ludo Rex disse...

Desmotivada e bem desmotivada...
Não paremos de lutar.
Feliz Natal e Bom Ano de 2009

Kisses

Pjsoueu disse...

Susete, minha comadre voltei para lhe desejar um Santo e Feliz Natal junto dos que muito ama...


do Sê cumpadri, Pj com muita estimaaa...beijosss